Abrir menu

Smart City o plano da sustentabilidade urbana

Smart City o plano da sustentabilidade urbana
Urbanidade, tecnologia e gestão, uma nova visão de como as cidades deve existir!

A Internet das Coisas, Big Data e Governança são pontos chaves na nova ordem mundial da urbanidade. São palcos destas experiências os espaços urbanos, com uso intensivo de tecnologias de comunicação, integrando, portanto, várias áreas.

Um misto de capital humano e tecnologia com o objetivo de promover a melhoria no desenvolvimento de uma cidade de forma sustentável com participação do estado.

Os próximos anos serão de transformações intensas nos grandes centros urbanos. Em breve, os benefícios estarão presentes no cotidiano urbano.

Sistemas interagindo e usando energia, materiais, serviços e financiamento para catalisar o desenvolvimento econômico. Considera-se um conceito relativamente recente, a visão de Smart City mas já se consolidou como assunto fundamental na discussão global sobre o desenvolvimento sustentável e movimenta um mercado global de soluções tecnológicas, que é estimado a chegar em US$ 408 bilhões até 2020.

9 dimensões indicam o nível de inteligência de uma cidade. São eles: governança, administração pública, planejamento urbano, tecnologia, o meio-ambiente, conexões internacionais, coesão social, capital humano e a economia, segundo o Cities in Motion Index, do IESE Business School na Espanha.

Fomentar a criação de uma economia criativa pela gestão baseada em análise de dados, trabalhar a melhoria das condições de existência das populações e criar condições de sustentabilidade são os objetivos principais desta perspectiva, “A cidade para as pessoas”. 

Mais da metade da população mundial já vive em centros urbanos e segundo estimativas da ONU, até 2030, esse percentual deve subir para 70%. Hoje são 442 metrópoles que bateram os sete dígitos. O uso da tecnologia para melhorar a infraestrutura urbana e tornar os centros urbanos mais eficientes e melhores de se viver.

No Brasil, Curitiba atingiu o topo do ranking em 2018 e ganhou o título de cidade mais inteligente. Na sequência aparecem São Paulo, Vitória (ES) e Campinas (SP). No ranking por regiões, as melhores posições foram observadas na região Centro-Oeste, seguidas pelo Nordeste, Norte e Sudeste. 

Planejamento urbano que contemple os espaços para ensino e educação, que hoje não é apenas uma questão acadêmica; educação agregadora para evitar a radicalização; foco total na educação presencial e inclusiva até os 18 anos adoção de conceitos e tecnologias sustentáveis; inclusão urbana, ao contrário do isolamento das periferias. 

A iniciativa privada tem se reunido em fóruns mundiais para apontar soluções e oportunidades de negócios no mercado das Smart Cities, como o Smart City Business América.

A visão das Smart Cities tem foco nas pessoas, e a partir disso desenvolve as questões econômicas, governamentais, de moradia, meio ambiente e mobilidade podendo assim representar a oportunidade de viver numa sociedade ideal.

Genuinamente brasileira, a SHEMPO desenvolve e fabrica soluções de Comunicação Exterior, trabalha no desenvolvimento de novas tecnologias e soluções em sistemas eletrônicos de sinalização e controle. Ao longo de sua história, tem investido continuamente em avanços tecnológicos e capacitação de seus profissionais. O sucesso da SHEMPO se deve à constante preocupação com a qualidade, empenho e otimização na fabricação de seus equipamentos que são projetados com base nas necessidades de cada cliente.